Meditar ou não meditar?

Meditar. No dicionário esta palavra aparece como sinónimo de pensar sobre qualquer coisa, ponderar, projectar, reflectir e combinar. Meditação aparece descrita como reflexão e contemplação mental. É isto mesmo, meditar é uma técnica de auto-controle para relaxar e tranquilizar corpo e mente. Ao contrário do que se possa pensar, não é uma terapia alternativa curandeira mas sim uma terapia de bem-estar.

A pergunta do título deste artigo tem uma resposta óbvia: sim. Meditar deveria ser tão obrigatória diariamente como o banho ou ver as notícias. Evitar o stress, a depressão, as perturbações psíquicas ou as insónias, são alguns dos benefícios da meditação. Quem pratica, sabe que há diferenças abismais em problemas deste tipo. O problema na palavra “meditação” é apenas um: a falta de tempo. Nós, mulheres ocupadas, que trabalhamos o dia todo, que nos levantamos cedo, que somos mães e donas de casa, chegamos à conclusão que mal temos tempo para o essencial, quanto mais para meditar. Certo?

A ideia aqui é contrariar isso. É verdade que nos pedem meia hora para uma caminhada porque faz bem à nossa forma física, que nos pedem meia hora para um banho relaxante para repor energias, que nos pedem meia hora para organizar o dia seguinte e mais meia hora para isto ou para aquilo mas para meditar, acredite que era uma meia hora cheia de benefícios. Estudos comprovam que uma hora de meditação corresponde a seis horas de sono tranquilo. Não é fenomenal? Sabe porquê? Porque quando se medita o nosso corpo produz endorfinas e diminui a presença de radicais livres através da oxigenação das células. Se não tiver essa hora, nem meia hora, comece pelo menos com 10 a 15 minutos diários. Não se vai arrepender!

Outra coisa importante, durante a meditação pode resolver problemas. Como? Durante o período em que está a meditar, existe um relaxamento físico que permite a diminuição das tensões e stress no nosso corpo e que fazem com que tenhamos um aumento de confiança, ideias e pensamentos positivos. Há advogados, engenheiros, executivos, enfermeiros, professores, entre outros, que só conseguem enfrentar o dia de trabalho com um sorriso nos lábios porque acordam 15 minutos mais cedo para meditarem. Nada como experimentar não é?

Como e quando meditar? Se já a conseguimos converter aos benefícios da meditação, então o local e a altura são escolhidos por si. Pode meditar logo de manhã, à noite quando os miúdos já tiverem na cama, à tarde se chegar mais cedo a casa, tudo depende dos seus horários e da hora que mais jeito lhe der. O local deve ser bem pensado. Há quem medite a olhar para o mar (mas nem todas temos essa possibilidade), há quem tenha um espacinho só dedicado a isso, há quem não tenha e arranje rapidamente. Se tiver um jardim, é uma boa opção. A única obrigação é ser um sítio calmo, arejado, com boas “vibes” e com um ambiente claro. Quartos escuros ou barulhentos não são opção. Já sabe que tem de se sentar de pernas cruzadas ou até mesmo deitada (no chão, numa almofada, na cama, o importante é estar confortável), costas direitas, mãos em cima dos joelhos (caso esteja sentada) e olhos fechados. Há quem medite no profundo silencio, há quem prefira o som do ambiente lá fora ou há quem meta uma musica muito calminha, por exemplo, existem aqueles cd’s cujas musicas são o som de ondas, ou de passarinhos, etc.

Depois de bem instalada e preparada, só tem de manter o pensamento focado no presente. Deixe-se levar até a sua mente estar completamente abstraída e silenciosa. Lembre-se que ao inicio é sempre mais complicado mas com a pratica continua vai aprendendo a sossegar a sua mente. Controle a sua respiração e vai ver que se vai sentir muito melhor!

3 Comentários

  1. Vera Souza pelo Facebook Junho 1, 2011
  2. Carla Olaia pelo Facebook Fevereiro 15, 2012
  3. Carla Olaia via Facebook Fevereiro 28, 2013

Deixa Um Comentário